Na madrugada desta sexta-feira (11), a nação Rubro-Negra recebeu uma notícia inesperada. Isso pois, segundo Rodrigo Dunshee, vice-presidente do Fla, o Flamengo entrou com um pedido no STJD para interromper o Campeonato Brasileiro. Com posição definida desde que foi anunciada a Copa América no Brasil, os cartolas rubro-negros mantém o tom e vão às até últimas instâncias, com intuito de paralisar o Brasileirão e não ser prejudicado com grandes desfalques.

PUBLICIDADE

Baixe o Aplicativo NETFLA e não perca nenhum jogo do Flamengo

PUBLICIDADE

Leia abaixo a declaração na Íntegra

Fla venceu apertado hoje o “jogo de ida” da Copa do Brasil com o time desfalcado pela ausência de 4 jogadores brasileiros e 2 estrangeiros. Palmeiras foi desclassificado e estava sem jogadores cedidos. Vem a Copa América e, ao contrário de 2019, não querem suspender o campeonato.

PUBLICIDADE

A CBF precisa promover o equilíbrio das competições. A base da competição é a isonomia entre os concorrentes e isso está no artigo primeiro do regulamento. Somos a favor da seleção, mas com paralisação do campeonato. O mundo civilizado funciona assim.

Não podemos prosseguir sacrificando as competições nacionais e os clubes para fazer frente às seleções. Não dá para retroceder. Por conta desse desequilíbrio, o Flamengo se socorreu ao STJD, para que, como em 2019, seja paralisado o Campeonato durante a Copa América.

Os clubes não podem continuar a jogar suas chances nas competições e os milhões investidos pelo ralo para promover torneios da seleção. Precisamos repensar o futebol brasileiro. Há que se respeitar o regulamento das competições que prevê que a base de tudo é a isonomia.

Não estamos sendo ouvidos pela CBF, o que nos fez pedir a intervenção da justiça desportiva. É a oportunidade que temos de rever certos conceitos. Não há como privar alguns clubes de seus melhores jogadores e outros não.

Acreditamos que a justiça será feita. Quem trabalha com verdade e com ética não pode deixar de buscar seus diretos. O regulamento precisa ser cumprido. Há que se ter igualdade de oportunidades entre os participantes e isonomia. Basta ler o regulamento.”